Saturday, 3 November 2007

(in)temporal



"Não se perdeu nenhuma coisa em mim.
Continuam as noites e os poentes
Que escorreram na casa e no jardim,
Continuam as vozes diferentes
Que intactas no meu ser estão suspensas.
Trago o terror e trago a claridade,
E através de todas as presenças
Caminho para a única unidade.
"

Sophia de Mello Breyner Andresen

(fotografia de Katia Chausheva)

3 comments:

Juliana said...

Cunhada...não é pq agora vc tah de orkut,que vou deixar de visitar e prestigiar o seu blog q eh fantastico!!!
ADORO!!!

=****

awake said...

a fotografia é de uma paz incrível...*

e o poema, desde há muito, que me comove. obrigada por o ter reencontrado...*

magarça said...

Não param de ecoar na minha cabeça, as "vozes supensas"..