Thursday, 4 June 2009

"Não se perdeu nenhuma coisa em mim"


Não se perdeu nenhuma coisa em mim.
Continuam as noites e os poentes
Que escorreram na casa e no jardim,
Continuam as vozes diferentes
Que intactas no meu ser estão suspensas.
Trago o terror e trago a claridade,
E através de todas as presenças
Caminho para a única unidade.

Sophia de Mello Breyner Andresen

(ilustração de Rachel Caiano)

4 comments:

L. said...

gosto muito daqui
escreva mais frequentemente, sim?
;)

flor-de-vento said...

lindo!

Concursos e Meio Ambiente said...
This comment has been removed by the author.
Janice said...

gostei muito do seu blog tb! amavel, interessante, leve... senti-em tao confortavel aqui!

por essa razao decidi compartilhar um poema q escrevi ha alguns dias. Relaciona-se (contradiotiramente?) com poema de Sophia... O meu estah longe de seguir metrica, longe de impressionar. Mas, gostaria de compartilhar. Afinal, sentimentos sao legitimos! =)...


Das vontades contrariadas e esperancas mortas
Reconstruo minha sina

Nada eh pra sempre.

As pedras me importam ate que eu as tire do caminho
eu as tiro e as atiro ao infinito...

Nada eh pra sempre.

Ingenuas minhas tentativas,
Insignificante minha dor.
Quao grande quer que seja Ela,

Nada eh para sempre.

Que ironia...
Eu daria minha vida para que fosse!